domingo, março 25, 2007

Peter Gast
Caetano Veloso

Sou um homem comum
Qualquer um
Enganando entre a dor e o prazer
Hei de viver e morrer
Como um homem comum
Mas o meu coração de poeta
Projeta-me em tal solidão
Que às vezes assisto
A guerras e festas imensas
Sei voar e tenho as fibras tensas
E sou um
Ninguém é comum
E eu sou ninguém ...

_________________________
Qualquer um...



...em tal solidão


...sei voar



ninguém é comum...

e eu sou ninguém.

Um comentário:

Mariposo-L disse...

As fotos B&W, confinaram muito bem com a musica !