segunda-feira, janeiro 15, 2007

Gang do Cinema: Querelle

Alguns afirmam que Fassbinder estava para além do ponto de devassidão quando trabalhou o romance existencial e homoerótico, escrito em 1953, por Jean Genet, versando paixão e assassínio. É inegável que ao resultado final falta a coesão das melhores obras do realizador, mas o filme revela um artista que se aventura perigosamente por novas fronteiras.
Brad Davis (que morreu de SIDA em 1992) é Querelle, um marinheiro amoral e sexualmente imprudente que pavoneia
a sua sensualidade para a admiração e desfalecimento de todos.
Querelle, traficante de drogas, mata um marinheiro e refugia-se num sórdido brodel à beira-mar onde começa por descobrir a sua faceta homossexual. Franco Nero é o seu comandante que sucumbe à gabarolice masculina de Querelle e
Jeanne Moreau é a cantora que também o deseja.
Um conto de violência, paixão e intensa submissão sexual.
Com cenários estilizados e propositadamente artificiais do porto de Brest, rematados por torres em forma de pénis no pontão e outros símbolos exageradamente fálicos, este é o último e, estranhamente, o filme mais gay de Fassbinder.

Brad Davis que interpreta Querelle
(1949 -1992)

Outros trabalhos:
O Expresso Da Meia Noite

Rosalie Vai as Compras




Rainer Werner Fassbinder,(Bad Wörishofen, 31 de Maio de 1945 – Munique, 10 de Junho de 1982) foi um diretor de cinema e ator alemão, um dos mais importantes representantes da Novo Cinema Alemão.O sucesso prodigioso de Fassbinder no cinema é legendário. Fez, em média, um filme a cada 100 dias. Sua disciplina intensa e energia criativa fenomenal ao trabalhar faziam contraste com os excessos de relacionamentos destrutivos da sua vida pessoal com as pessoas que ele atraiu.

Fassbinder era um gay assumido e declarado e questões relacionadas à situação de pessoas consideradas outsiders na sociedade alemã predominam em suas obras. A condição humana, mesmo demonstrada através do amor lésbico, é o tema fundamental em seu filme As lágrimas amargas de Petra von Kant ou, em seu original, Die bitteren Tränen der Petra Von Kant (1971).

Fassbinder morreu de uma overdose de drogas aos 37 anos. Há controvérsias se a overdose foi voluntária ou não, e se a discriminação sofrida por ele ser homossexual declarado não tenha contribuido ao sem fim prematuro. Sua morte é considerada um marco no fim do Novo Cinema Alemão.

Algumas obras de Fassbinder em DVD:

Lili Marleen - Lola - O casamento de Maria Braun - Veronika Voss

3 comentários:

Viúva Porcina disse...

Ai Kauê, seus posts são tão inteligentes, trazem cultura para o meu miolo mole! Delíciaaaaaaa vc heim! :P

João Baptista disse...

Já vi o filme pelo menos 3 vezes, e continuo a não ser um fã dele, o meu ex adora o filme...

Serginho -Taguaral disse...

Cara adoro este filme, assisti uma vez e queria tanto rever so q nao lembrava do nome.